Traduzir

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Exames complementares de diagnóstico

"Fui fazer exames, assim que tiver o resultado vou à consulta."

Ao contrário do que acontece com a grande maioria dos profissionais da Medicina Convencional, o osteopata não está dependente de exames complementares para puder exercer o seu trabalho.

A Osteopatia tem um rigoroso leque de testes manuais que me permitem fazer uma correta avaliação, identificado as estruturas que precisam ser corrigidas.
Não só a Osteopatia, como também as demais valências que exerço, estão dotadas de técnicas de avaliação, que juntamente com a anamnese, me permitem avaliar de forma integral o estado de Saúde da pessoa.

Só em determinados casos é que há a necessidade de se realizar algum exame complementar, de modo a confirmar algum tipo de patologia mais grave. Por exemplo, após a pessoa fazer um traumatismo tem que realizar uma radiografia para confirmar a existência ou não de fratura; se há evidência de se ter originado uma hérnia no disco; etc...

Por outro lado se pessoa já tiver feito alguns exames, pode trazer os exames quando vier à consulta, mas na grande maioria das vezes, esses exames não são fundamentais, nem para eu fazer a avaliação, nem para se dar inicio ao tratamento.

Outro aspeto importante é que muitas vezes para o mesmo exame podem haver diferentes apreciações. Significa isto que um profissional de Saúde pode fazer um relatório de determinado exame, enquanto outro, pode ver o exame de outra forma e redigir um relatório diferente. Por isso é sempre bom trazer-se o exame, em vez de se trazer só o relatório, pois infelizmente nem sempre o relatório corresponde ao que realmente está no exame. Com alguma frequência também se verifica que há exames que não são realizados da melhor forma, sendo inconclusivos, e havendo a necessidade de se voltarem a repetir.

Quando a pessoa opta por realizar exames antes do tratamento, ou quando existe mesmo essa necessidade, normalmente recomendo voltar a realizar os mesmos exames depois do tratamento, para perceber as diferenças entre o antes e o depois. Regra geral as diferenças são tão evidentes, e como a pessoa se sente bem, já nem se dá ao trabalho de voltar a realizar os exames. Mas a verdade é que é sempre bom fazer isto, pois é uma forma irrefutável de se mostrar os benefícios da Medicina Manual, ainda mais quando comparada com outros tipos de tratamentos cirúrgicos ou farmacológicos.